UM HOMEM NÃO CHORA!

1847

– “Os homens não choram!”
– “Mas eu quero chorar…. ”
– “Os homens não choram, já disse!”
– “Mas eu quero, eu preciso tanto de chorar….”
– “Queres chorar? Queres ser menina? Então chora para aí…”
-“Quero lá saber, eu só quero chorar… e há meninas tão mais fortes e corajosas do que eu…”

Estas palavras ecoaram e ainda ecoam na minha cabeça sempre que estou triste e me apetece verter lágrimas. Lágrimas para aliviar o peito do peso que os pensamentos, os sentimentos negros ou simplesmente nublados me causam. Esse sal em gotas pequeninas e quentes que rolam pela cara e que funcionam como um bálsamo para a alma.

Já o escrevi: quem me conhece, quem realmente me conhece até ao tutano dos meus ossos, sabe que sou sensível. Emociono-me com a brisa que traz o cheiro a milho ensolarado, com o calor fresco do início das noites de estio. Emociono-me com o nascer da vida, com o fim desta, e com olhares com que me cruzo nos caminhos que faço: reais ou imaginários. No entanto não consigo chorar, as lágrimas não abandonam os meus olhos nem aterram no canto da minha boca, impedindo-me de sentir esse sabor salgado da tristeza. E sempre aquelas palavras a martelar na minha mente: “Sê um homem, não sejas menina. Os homens não choram!”

E se eu quiser ser menina, mulher? Não seria igualmente forte, sensível, corajosa, medrosa, lutadora e cobarde? Não seria um ser humano igual a um homem? Claro que sim. Então porquê essas palavras repetidas ao expoente máximo a tantos e tantos meninos? Palavras que me foram ditas a mim, e a tantos rapazes, desde tenra idade, e que os transformaram e transformam em homens duros, machistas, sem compaixão e, principalmente, em negação consigo próprios.

Estas palavras que são cruéis, perigosas, machistas, misóginas e castradoras:

Cruéis porque chorar é tão bom… chorar quando se precisa, quando não se precisa; chorar quando se está triste, quando se está alegre. Chorar é quase uma necessidade fisiológica, que alivia, acalma, coloca pensamentos e sentimentos em ordem. Negar isso a uma pessoa é negar-lhe o próprio existir, ser, viver. E são castradoras também por isso.

Perigosas porque aquelas palavras endurecem almas. Transformam rapazes em pedras esculpidas na forma de homens. Com um turbilhão imenso de sentimentos que não têm como sair e que, por fim, jazem num túmulo de marmórea indiferença.

Machistas e misóginas porque menorizam as mulheres, porque as reduzem a seres chorões, frágeis, sensíveis sem sentido. Que não fazem senão chorar e ter medos. E como sabemos tod@s que tal não é verdade… Que as mulheres são as pessoas mais fortes, mais corajosas, mais bravas e lutadoras que existem. Basta dizer que são mães e podem não o ser com o mesmo orgulho e estoicismo. Basta ver que nadas as diminui, mesmo quando quase todo o mundo as empurra para baixo… Não conseguirão!

Um homem não chora… Esta frase, estas palavras metralhadas a muitos de nós, ditas por muitos apenas porque as ouviram dizer, formam mentes e personalidades distorcidas. Fazem com que meninos que apenas querem chorar, engulam as lágrimas prestes a rolar e se tornem frios, sem compaixão e incapazes de parar a tristeza.

Eu queria chorar, eu só queria chorar. Por tudo, por nada, mas, principalmente, porque me sentia triste. Um homem não chora? Um homem tem que chorar.