“CARTA À CRIANÇA QUE AGRIDE A MINHA FILHA” Autor anónimo

1047

Mas consegues imaginar como é que esta menina se está a sentir? Ela sente-se sozinha e isolada deste mundo. Ela apenas quer ter amigos e brincar com toda a gente. Ela nunca fez nada de mal. E ela não consegue perceber porque é que toda a gente é má para ela. Porque é que todos param de falar quando ela se aproxima. Porque é que, a ela, nunca é permitido expressar a sua opinião. Porque é que os outros inventam jogos como ser o primeiro a empurrá-la do trampolim, ou pregar-lhe rasteiras para que ela não consiga chegar até ao fim do corredor.

Apesar de te estares a sentir bem por troçares dos outros, a minha filha já não se ri. Ela já não faz piadas, já não canta, já não brinca. A vida dela é séria e cruel. Ela apenas quer esconder-se de tudo e de todos.

Ela era boa aluna mas agora a sua cabeça está tão cheia de tudo o que lhe fazem durante o dia que já não consegue concentrar-se nos estudos. Ela é a menina que acorda à noite com dores de cabeça horríveis de pensar demasiado sobre aquilo em que a sua vida se tornou. Ela tem olheiras profundas debaixo dos olhos porque não consegue dormir como devia. O seu único conforto é a comida, que a faz engordar.

Não importa a quantidade de amor e apoio que nós lhe damos porque todos os dias ela tem de voltar para essa parte da sua vida que a torna desesperadamente infeliz. Podes pensar que estás apenas a divertir-te, mas o teu comportamento está a destruir a minha filha e a sua família. Vê-la sofrer assim todos os dias é devastador. Quando os pais das outras crianças e os professores dizem que não vêem onde está o problema porque “estão apenas a ser crianças”, tudo o que te posso dizer é que tu estás a permitir que este problema continue a existir.

Em qualquer outra situação, o teu comportamento seria considerado abusivo. E no entanto a minha filha continua a sofrer. Continuo a abraçá-la todos os dias quando chora – e dói tanto – porque ela não consegue perceber o que é que fez para merecer tanto sofrimento.

Para as crianças que agridem a minha filha: era isto que queriam fazer? Ou nunca pensaram na pessoa que é a destinatária das vossas agressões – a minha filha?

Anónimo

Carta publicada no jornal The Guardian 

 

Ler artigo completo ...