DEPRESSÃO NA ADOLESCÊNCIA: NÃO EVITAR O TEMA

268

Há, numa mãe ou num pai que perde um filho, uma permanente ferida aberta que não tolera curativos nem admite suturas.

Há, na ideia de perder um filho, qualquer coisa que corrói, que envenena, que mata por dentro. Por isso, quando um filho nos diz “quem me dera morrer” há algo em nós que se assusta irremediavelmente, que se lembra de todas as mães e de todos os pais que ficaram sem chão, sem bem maior. E que sofre com eles apenas e só pelo fantasma de uma ideia assim.

Ler artigo completo ...