É PRECISO TIRAR-SE UM CURSO PARA EDUCAR UMA CRIANÇA? por Magda Dias

371

Hoje acordaste e prometeste que ia ser um bom dia. O despertador tocou, tu desligaste-o e ficaste a organizar mentalmente a tua manhã: vais acordar os miúdos com calma, prometes que vais ser mais paciente e as coisas vão correr bem. Mas ela não quer calçar os collants azuis-escuros e ele não pára de choramingar. Quando dás por ti, o “berrar baixo” já foi para o espaço e o falar com calma foi por água abaixo. Não tens tempo para os “cutchi cutchis”: tens é de enfiar os miúdos no carro, nem que seja com meio pequeno-almoço tomado, sem remelas nos olhos e mochilas com lanches e livros. Quando apertas o cinto ao mais novo dás-te conta que estás de rastos… Entras no carro, olhas para o relógio e disparas o sermão do outro dia que diz que “Assim não dá! É todos os dias a mesma coisa e se isto volta a acontecer vão ficar mesmo sem os desenhos animados depois do jantar”. Dizes-lhes também que não sabes mais o que fazer para eles andarem mais depressa de manhã, que eles têm de te respeitar – afinal de contas és a mãe deles.

Entregas o mais novo na creche com um beijo repenicado e um “xau xau” sonoro e deixas a mais velha na sala, com um beijo embalado num “amo-te muito, meu amor”.

Entras no carro, enfias o cinto, olhas para o relógio. Ainda não são 9h mas tu já ameaçaste, já gritaste e já fizeste tudo aquilo que tinhas prometido que não ias fazer. “Caramba!”. Então decides que logo é que vai ser. Logo vais pousar tudo, vais brincar com eles e sabes que o momento do banho vai ser divertido. Ligas ao teu marido e pedes-lhe que vá buscar o jantar porque, lá está, hoje não te vais preocupar com isso! Hoje estás só para eles.

Chegas a casa, pousas tudo e preparas-te para cumprir com o prometido. Mas ele não pára de choramingar e tu começas a ficar em “ponto de caramelo”. Ela responde-te torto, faz cara feia e tu, sentada no chão, percebes que não sabes como lidar com aquilo tudo. Então pegas no telefone, ligas ao teu marido para saber quando é que chega o jantar. Estás exausta.

Quando finalmente te deitas, depois de teres tratado deles, da casa e de ti, sentes o coração do tamanho de uma ervilha porque não fizeste nada daquilo que querias fazer. Então prometes a ti própria que amanhã é que vai ser. Amanhã vai ser um bom dia porque vais conseguir acordar os miúdos com calma, porque vais ser mais paciente e sim, desta vez vai tudo correr bem.

E agora perguntas-te, de novo: “É preciso tirar um curso para se educar uma criança?”.

Asseguro-te que é tão bom conhecer estratégias que tornam a tua vida, com os teus filhos, mais fácil e que te permitem desenvolver uma relação com maior significado. Quando dizem que ser-se pai e mãe é dos papéis mais importantes, então talvez seja interessante aprender mais sobre esta função. Porquê? Simplesmente por isso – porque tornamos mesmo a nossa vida mais fácil e para que possamos, de facto, saber lidar com as birras, com as frustrações e com os medos. Os deles e os nossos.

A Educação e a Parentalidade Positiva é uma filosofia que tem por base o respeito mútuo entre pais e filhos e quando esse respeito mútuo existe então não precisamos de educar com base na chantagem, nem na humilhação, no castigo nem na permissividade. Esta filosofia olha para os comportamentos e para as expectativas de pais e de filhos com o objectivo de tirar os nós dos conflitos – não tem a pretensão de os eliminar – mas, no final, é isso que acaba por acontecer.

O objectivo é só um: criar relações com vínculos fortes e cheias de significado. E é isso que vais encontrar neste espaço, daqui em diante.

Magda Dias

Ler artigo completo ...

1
2
Partilhar
Artigo anteriorBANDA SONORA CATARINA FURTADO
Próximo artigoFABIANA por Sara Antunes de Oliveira
Capazes é uma Associação Feminista que tem como objectivo promover a igualdade de género.