FRAGMENTOS: FUI FELIZ

374

……… Sonhava ser parte dos teus sonhos, mas tu habitavas os sonhos de outras, nem te davas ao trabalho de os construir. Eras um predador. Não queria oferecer-me em sacrifício, fazendo-me oferecida. Sentia-me em pecado quando nisso pensava. E sabia que reagirias com desprezo e não com ternura se te provocasse. Não o fiz.
……… Sacrifiquei-me a esperar nas frestas entre paixões, nos teus suspiros no meu ombro amigo, esse ombro onde nunca repousaste um suspiro por mim. Pedias-me sempre algo, nunca um beijo. Respondia-te um sim orgânico, impossível de quebrar, ao que me suplicavas, chantageando-me o coração. Levava e trazia recados, espiava sentires, elogiava-te para que de novo se aproximassem. Elas. Elas eram pessoas de sonho, dizias. Eu era a pessoa do sonho que fabriquei para te amar no silêncio do observador.
……… Quando a idade te atraiçoou, quando não cabias em nenhum sonho que não fosse meu, suspiraste no meu ombro, por ti, não por mim. E, por não teres mais nenhuma esperança de conquista, lembraste-te da pessoa a quem o ombro pertencia. Eu, depois de uma vida a desejar-te, sorri a tristeza que me sufocou. Era demasiado tarde, secara-me na espera. Via-te agora como eras, oportunista, fingindo paixões para colecionar presas. Prometi a mim mesma não ser a última.
……… No fundo, já sabia, mantendo-me fiel a toda uma vida. Gastei-me a tentar entrar num sonho que te pertencesse. Gastei-me em vão. Era tarde. Afastei o ombro, desfiz a ternura, ignorei os suspiros. Chegava a minha vez de, com o não tão orgânico quanto certo, te rejeitar.
……… Envelheceste longe de mim. Eu não. Envelheci perto de ti, ainda com a mocidade por cumprir. Guardei com amargura as esperas, os entusiasmos, os anos vividos por ti, de pensamento em ti. Mas renovo-me na reconstrução do passado. Tu caminhaste para o fim, eu agora caminho para um renascimento. Não, não é demasiado tarde.
……… Sonho memórias que não vivi e resguardo-me do que me fizeste. Refaço, com o cuidado de quem, por fim, se respeita, os dias passados. Vivo de novo ao inventar uma vida que escolho, sonhando assim, cheia de bons momentos.
……… Afinal, fui feliz. Nem uma fotografia para mostrar quão feliz fui, mas esse pormenor não interessa. Fui feliz.

Ler artigo completo ...