MUDEI O MUNDO: O MEU por Sofia Fonseca Costa

464

A primeira vez que li alguma coisa de Ernest Hemingway​ tinha os pés descalços a tocar nas tábuas do palco do teatro d’A Barraca. Tinha 15 anos desesperados, esvaziados e à procura daquilo que ainda hoje não sei o que é, mas sei que encontrei. “Write loud and clear about what hurts”. Prometi a mim mesma, no pico da adolescência, que o faria quando sentisse que já não doía mais. Esse dia nunca há-de chegar e, por isso, escolhi fazê-lo agora. Não vou falar de fodas, putas nem gordos. Vou sair daquilo que é costume e por isso é tão grande o texto.

Ler artigo completo ...