SÃO ELAS E SÓ ELAS

238

Acredito profundamente num mundo onde mulheres capacitam e ajudam outras mulheres.

Sempre que pensamos como é ainda longo o caminho para alcançar a Igualdade, devemos também pensar de que forma, enquanto mulheres, podemos afastar as pedras do caminho de tantas mulheres, com menos recursos, que estão a trilhar connosco a mesma estrada.

A Associação Irmãos e Amigos de Farim, uma associação guineense que muito se tem destacado na área da intervenção do empoderamento da mulher, com sede em Monte Abraão, convidou-me para dar uma formação sobre “Comunicar em Público” a um grupo de 13 mulheres.

A formação teve lugar nos dias 28 de maio e 3 de junho.

O presidente desta associação é um dos maiores feministas que conheço (Obrigada, Eduardo!).

Confesso-vos que ensinar como falar em público nunca foi tão especial para mim.

Tenho a certeza que muitas destas mulheres que ajudei a formar vão estar na senda do ativismo muito rapidamente, ocupando a liderança de um papel que é delas por direito.

São elas que devem falar sobre mutilação genital feminina porque muitas delas foram suas vítimas e fizeram um extraordinário caminho de superação, passando de vítimas a sobreviventes, e agora, a ativistas.

São elas quem têm de estar na linha da frente da prevenção.

É isso que sonho para elas. Mas sonho mais!

Gostava muito que estas mulheres acreditassem que, com escolarização, podem vir a realizar-se na atividade profissional que ambicionam para si.

E que são Capazes de lá chegar, basta quererem.

A força da formação da Mariama, os olhos da Tucha, o carisma da Anabela, o silêncio da Regina (o silêncio de quem escuta e aprende) e sobretudo a segurança que se foi construindo em todas elas, são um privilégio que nenhum bom formador pode esquecer quando regressa a casa.

A cereja no topo deste bolo foi finalizar o módulo prático com uma explicação do que é ser Feminista e sobretudo poder oferecer a cada uma das participantes uma T-shirt que as fará recordar PARA SEMPRE que são CAPAZES.

Foto no meio

Termino este texto com um apontamento de gratidão: à Vera Sacramento, que com todo o seu coração ajudou a pagar parte das T-shirts e rodopiou em telefonemas, à Rita F. Rodrigues, que com a sua generosa diligência tornou isto possível e ao Ruben, que a meio da noite agilizou o resto.

Acredito profundamente que este Exército de Capazes está a tornar-se cada vez maior, mais forte e, sobretudo, tão Capaz.

 

Obrigada, Capazes!