SOMOS TODOS MARIAS por João M. Pereirinha

309

Quando vejo uma campanha de sensibilização relacionada com a violência doméstica, fico sempre com uma sensação de angústia, de tristeza, onde me parece que a mulher está isolada, sozinha e desamparada. Existe um excesso de recurso a palavras como “não” ou “contra”. Creio que, mais do que ser “contra” qualquer coisa, precisamos antes de ser a favor de algo. A favor da igualdade de género, bem como a favor da liberdade e do direito à sexualidade livre. A favor da afirmação individual, sem discriminações.

Ler artigo completo ...