magda gomes dias - resultado da pesquisa

Se você não gostou dos resultados, por favor, faça outra pesquisa

O programa das comparações foi instalado em nós como se estivéssemos num supermercado a comparar os preços das batatas, das cebolas e dos frangos. Desde muito cedo, começamos a usar este programa e, pior, começam a usar este programa connosco. Somos comparados desde tenra idade, ao nível do nosso desenvolvimento motor, ao nível da linguagem, da maturidade, da forma como lidamos com as emoções, como andamos, como gatinhamos, como comemos.

Há uns dias, em conversa com uma grande amiga, disse-lhe que estava farta de ser certinha, de tentar ser perfeita, de tentar não cometer erros (como se isso fosse possível!), de querer sempre agradar aos outros mesmo antes de me agradar a mim mesma, de querer controlar a vida quando a vida não é controlável, de querer controlar emoções quando elas não querem ser controladas, apenas geridas e reconhecidas. Isto de ser certinha dá muito trabalho,

Pintura: Ana Cristina Dias

Estou a falar da minha depressão e de tudo o que me levou até ela. Sei que é estranho uma rapariga de dezanove anos estar a falar de tal coisa. Ouvi tantas vezes na rua que os jovens não têm esses problemas, mas poupem-me esses vossos argumentos, por favor. Devia estar neste momento a viver tudo o que um jovem vive nesta idade. Desde a faculdade até à diversão. E sabem que mais? Fui privada de tudo!

Exige a tua liberdade, aquela que te faz sentir como um pássaro, como um cavalo que corre pelos campos, livre para amar, para pensar, para sentir, para abraçar, para sorrir, livre para estar! E mais importante, livre para SER. Ser quem tu és. Livre para tomar as tuas decisões, para escolheres o que é realmente importante para ti! Livre para usares um penteado diferente, uma roupa diferente. Livre para te sentires seguro em meios desconfortáveis. Livre para mudares de emprego. Livre para dares a tua opinião!

Não fiquem sentadas, ocupem, circulem, falem, façam-se ouvir, e quando vos faltar a coragem não se preocupem, porque mais tarde ou mais cedo chegará o momento em que serão capazes de voltar a estar presentes. A timidez é como uma montanha russa, é como uma caminhada numa floresta em que nos sentimos muitas vezes sozinhas. É verdade, eu sei! Mas ainda assim, lembra-te: a timidez é uma flor que faz de ti um ser especial e único.

Ser mulher na sociedade que temos já é difícil. Ser uma mulher bem-sucedida, com uma carreira cimentada ainda mais. Não precisamos que a DGS use campanhas públicas para nos recriminar. Para nos dizer que, se até aos 35 anos não conseguimos ser mães, foi porque não definimos as nossas prioridades. Isso é só um julgamento que não merecemos. O que deveria ser uma campanha de sensibilização, informativa, passa a ser um castigo, uma punição. Uma sentença até em alguns casos.

Quantas mães espalhadas por esse mundo fora não se viram obrigadas a emigrar, a passar a gravidez sozinhas e a mostrar os filhos via skype à família? Quantas mães espalhadas por esse mundo fora não se viram obrigadas a recusar trabalho ou foram mesmo despedidas porque não têm ninguém que lhes fique com os filhos quando estão doentes ou em férias escolares?

Sim, a política partidária é, claramente, dos meios mais sexistas que existem. E sim, quem é mulher e se envolve... sujeita-se... tem de se sujeitar! Se quer entrar, se quer ser ouvida e olhada como igual, tem, necessariamente, de se ir habituando -"sabe que estas conversas não são nada fáceis, são durinhas... não se pode ser muito puritano aqui. Há que ter estofo! Se quer estar cá dentro tem de se ir habituando...".

Alguém já pensou “Eu sinto mesmo que sou uma mulher?”. Olho-me ao espelho e não sou capaz de o dizer. A questão é: também não posso afirmar “Eu sinto mesmo que sou um homem”. Não há nenhuma dúvida em mim: tenho uma vagina, tenho mamas, e não quero mudar nem sinto que me falte algo, isto é ponto assente. Sou feliz e não quero ser diferente.
PUB